Motor trifásico: entenda o funcionamento e quais as aplicações

Publicado por Mult Comercial em

Os motores elétricos são responsáveis pela maior revolução dos últimos século. É graças a eles que a grande maioria das máquinas e dos equipamentos que conhecemos e nos beneficiam existem.

Dentre os vários tipos de motores elétricos, o motor trifásico é um dos mais utilizados pelo maquinário de indústrias que transformam a força elétrica em energia mecânica, movimentando as engrenagens essenciais para todos os processos industriais automatizados.

A grande diferença desse modelo está evidente no próprio nome do modelo: trifásico (tri, três). Isso significa que, ao contrário dos outros tipos de motores – especialmente o monofásico –, a rede que alimenta os motores desse tipo é composta por três fases, além do neutro.

As diferenças, no entanto, não param por aí! Quer saber mais detalhadamente sobre os atuadores trifásicos, as diferenças entre eles e os outros tipos de motores e onde eles podem ser aplicados? Então acompanhe a leitura deste conteúdo especial que o blog da Mult Comercial preparou para você. Olha só:

Motores trifásicos x motores monofásicos: qual a diferença?

trifasico e monofasico

Antes de mais nada, é preciso entender que existem vários tipos de motores elétricos. A distinção mais básica entre os de corrente contínua (CC), também chamados de síncronos e os assíncronos, conhecidos como atuadores de corrente alternada (CA).

Dentre os motores de corrente alternada, dois ganham destaque: os chamados monofásicos e os trifásicos. Uma vez que nosso objetivo é levá-lo a conhecer mais sobre o modelo trifásico, optamos por compará-los aos seus parentes mais próximos, os de fase única.

Sendo assim, a característica mais nítida que diferencia os atuadores mono e trifásicos é justamente o tipo de alimentação que eles recebem, isso é, o número de fases que a instalação elétrica precisa fornecer para que os motores funcionem.

Os prefixos mono e tri são bastante claros: na fase única – que na verdade são duas –, a alimentação acontece por dois cabos, um fase e um neutro. Esse tipo de instalação é o mais comum em áreas residenciais, rurais e comerciais e trata-se do tradicional sistema 127V.

Já no sistema trifásico, a alimentação ocorre por meio de quatro cabos: um neutro e três fases ou ondas senoidais (R, S e T). A voltagem desse sistema são os mesmos 127V ou 220V, mas a diferença é a potência dos aparelhos que podem ser ligados em instalações desse tipo – entre 25 kW até 75 kW. Em comparação, o sistema monofásico lida com potências de até 8 kW.

Uma outra diferença entre os atuadores monofásicos e trifásicos (também chamados de motores ou atuadores de indução) é que os monos não são capazes de dar partida por conta própria, sendo necessário um capacitor para realizar a ação. Já os trifásicos, sim.

Motores de indução: entenda parte por parte

motor de inducao

Agora que você já sabe a diferença básica entre os tipos de motores CA, hora de entender melhor as características específicas dos modelos de indução. Aliás, a indução é a propriedade física responsável pela criação de campos magnéticos.

Inclusive, o funcionamento dos motores de indução é muito semelhante aos indutores toroidais – que funcionam sob os mesmos princípios físicos –, só que em escala maior e mais complexa.

Para saber o que são indutores e o funcionamento do modelo toroidal, sugerimos a leitura do post “O que é um indutor? Conheça os principais tipos e aplicações”, aqui mesmo no blog da Mult Comercial.

Dito isso, precisamos entender quais as principais partes de um motor de indução. São elas:

  • Rotor: é a parte móvel do atuador, responsável pela transmissão da energia mecânica para o sistema. O rotor é composto por material magnético e pode ser de dois tipos, bobinado ou gaiola de esquilo;
  • Estator: como o próprio nome indica, é a parte estanque do motor. Também é composto de material magnético, além de uma carcaça ranhurada que dá suporte à estrutura trifásica;
  • Mancal: são os rolamentos que fazem a ligação entre o rotor e o estator;
  • Ventilador: peça responsável pela dissipação térmica dos componentes, evitando superaquecimentos;
  • Caixa de ligação: responsável por fazer a ligação entre os fios que chegam para a instalação e que se conectam com as bobinas do sistema.

Benefícios e aplicações dos atuadores trifásicos

atuadores trifásicos

Graças às suas características próprias, os atuadores magnéticos possuem vantagens não somente em relação à versão monofásica, mas também se comparados aos motores de CC. Isso faz com que eles sejam o tipo mais frequentes em contextos industriais e que demandam maior potência do sistema.

Outras vantagens dos motores trifásicos incluem:

  • Vida útil extensa e baixa necessidade/custo de manutenção;
  • Montagem facilitada, se comparados aos motores CC;
  • Robustez e potência;
  • Facilidade de instalação, uma vez que a distribuição da rede elétrica é feita sob a forma de corrente alternada;
  • As peças que o compõem são de fácil fabricação.

Em relação às aplicações, como dito anteriormente, a principal delas está relacionada ao meio industrial, ou seja, tornos, fresas, esteiras rolantes e maquinários que funcionam sob alta carga e demanda de potência.

Fora do meio industrial, as aplicações mais comuns dos motores trifásicos são como componentes de elevadores e escadas rolantes, que também precisam de alto desempenho e relativa segurança de operação.

E então, gostou do nosso conteúdo da semana? Para ficar por dentro de mais assuntos da elétrica e entender mais sobre o universo da eletrônica, fique atento às atualizações do nosso blog – tem coisa nova toda semana! Aproveite também para seguir a Mult Comercial nas redes sociais e não perder uma notificação!

Até a próxima postagem!

Categorias: Dicas e Tutoriais

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *