Escolhendo o melhor alto falante de guitarra para seu equipamento

Publicado por Mult Comercial em

Muitos guitarristas acabam dando tanta atenção para as configurações da guitarra e do amplificador que acabam negligenciando seu alto falante de guitarra, sem perceber que é justamente nele que todo o conjunto do timbre elaborado nos dois primeiros acaba sendo imprimido. O alto falante é a fronteira física final na definição de sua marca sonora.

Escolher um bom alto falante de guitarra não se trata apenas de comprar aquele com maior potência, afinal, em situações de show, por exemplo, seu amp será ligado a outras saídas de som. Não se trata meramente de volume, mas de timbre.

Por que o alto falante de guitarra faz diferença?

Enquanto é fácil entender como os detalhes da guitarra – da madeira ao calibre das cordas – têm uma grande influência, assim como as configurações do amp e sua elaboração, o alto falante, que faz todo o som acontecer, parece ter propriedades mais difíceis de observar para alguns guitarristas.

As propriedades do alto falante vão determinar não só a potência e o alcance das ondas sonoras, mas também como cada faixa vai soar na hora de compor seu timbre.

E isso pode ser observado através de alguns padrões, como a potência em Watts, a impedância, medida em Ohms, o tamanho em polegadas e sua ressonância.

Potência em Watts

Watts não é a mesma coisa de volume. Ele se refere à potência e sua capacidade de transformar energia elétrica em trabalho. A média da capacidade de volume é dada na relação entre os Watts e os decibéis, que dizem respeito também à capacidade de ressonância.

A potência varia bastante, e vai da média de 5 até mais de 200 Watts. E muitos alto falantes ainda possuem uma faixa de saturação onde criam uma “distorção”. O investimento em potência, como já deve ter ficado claro, é interessante especialmente para guitarristas que gostam de usar distorções pesadas, com alta saturação, overdrives e fuzzes agressivos.

Impedância

A impedância é medida em OHMS e se refere à resistência elétrica que as bobinas enroladas na base do alto falante oferecem.
Isso significa que, ao invés de ter frequências mais fortes que sobrepõem aquelas mais “fracas”, você tem um controle e distribuição maior do som em cada uma das faixas.

Esse atributo é especialmente interessante para efeitos que exploram o reverb, o flanger e outros tipos de timbres que precisam dar profundidade e complexidade de efeitos. A faixa de OHMS vai de 2 a 16, sempre em múltiplos de 2.

É importante observar que a impedância deve casar com as configurações do amp, especialmente os valvulados, para não causar danos aos seus componentes. Na dúvida, você pode sempre usar um multímetro para medir a impedância de seu alto falante.

Polegadas do alto falante

Todo alto falante é marcado pelo símbolo de “, que se refere ao seu tamanho. O tamanho pode definir diferentes possibilidades: falantes mais largos, como os de 12”, que têm maior definição de grave, enquanto os de 10″, uma concentração no médio.

Contudo, mais do que apenas o tamanho, a construção, a profundidade do imã e os materiais fazem bastante diferença, além de, é claro, da própria compressão do som, no amp e também no conjunto de efeitos do set de pedais e nas configurações da guitarra.

O duelo entre falantes britânicos e americanos

Além das 3 propriedades básicas de todos os alto falantes que apresentamos nos tópicos anteriores, você ainda pode encontrar muita discussão em relação às marcas. E isso não é à toa.

No começo da guitarra elétrica, diferentes marcas foram deixando suas marcas pelo mundo, e as terras do blues, do rock e do metal criaram tradições na forma de fazer seus produtos que perduram até hoje.

Falantes como os da marca Jensen têm uma longa tradição, do blues ao metal clássico, com definição cristalina e a maior versatilidade do mercado, conta uma faixa de saturação maior e uma variedade de impedâncias, geralmente com versões de 8 e 16 para seus modelos mais populares. Oferecendo séries que podem ser equipadas em conjunto, com diferentes polegadas.

Da Terra da Rainha, marcas como a Vox também oferecem versões clássicas e voltadas para o rock clássico e o blues elétrico, com tons que vão do smooth até a alta saturação, marca registrada do som vintage.

E quando falamos de sons mais explosivos, a Celestion se tornou um nome ligado ao metal e ao rock pesado, criando falantes com sons mais explosivos em grave, ideal para definir afinações drop D e efeitos pesados, como o fuzz.

Escolhendo o seu alto falante de guitarra

Com esses dados em mão, sua jornada em busca do tom ideal pode ser mais fácil e divertida, vale a pena considerar algumas dicas chave para ter em mente:

– Teste bem cada falante. Escute samplers e teste presencialmente cada um dos falantes com o seu setup equipado;
– Escolha um bom tecido ortofônico: para sons mais “smooth”, com maciez, use tecidos bem fechados e com camadas. Já para sons médios, tecidos rendados vazados e, para sons graves e pesados, grades metálicas vão servir bem à frequência que você quer tornar sua assinatura;
– Caso precise criar um som diferente de seu timbre, você pode sempre contar com pedais de guitarra para equalizar, comprimir ou dar mais brilho.

A jornada pelo seu timbre passa por ter boas informações e poder contar com variedade, e a MultComercial traz os dois de maneira prática e objetiva para você. Conheça nossa página, siga nosso blog e nos encontra nas redes sociais para ficar sempre informado sobre o mundo da eletrônica, de áudios parts até a robótica!

Categorias: Eletrônica

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *