Como funciona um alto-falante? Descubra agora!

Publicado por Mult Comercial em

Seja em um headphone, em uma caixa de som ou num carro, todos nós precisamos, às vezes até diariamente, de algum tipo de alto-falante.

Contudo, apesar de ser um equipamento universal, seu funcionamento não é conhecido pela grande maioria das pessoas – e muito menos o seu conceito, que pode ser definido da seguinte forma: são considerados alto-falantes todos os aparelhos que funcionam como um amplificador sonoro (também conhecidos como megafones).

Neste post, explicamos o funcionamento, as partes e os tipos de alto-falantes, para que essa incógnita da eletrônica seja, por fim, esclarecida. Para começar, vamos entender como funciona:

O funcionamento dos alto-falantes

Um alto-falante é um transdutor (dispositivo que converte energias de uma natureza para outra), ou seja, transforma a energia elétrica em energia mecânica. A energia mecânica, por sua vez, comprime o ar e faz a conversão do movimento para energia acústica/sonora.

Esses equipamentos são sonoros porque o som move-se em ondas de pressão, produzidas pelo movimento para “frente e para trás” dos alto-falantes. Com isso, as partículas de ar sofrem uma compressão e rarefação, criando no ar essas ondas de pressão que percebemos como som.

Para entender como esse processo acontece na prática, confira mais detalhes dos componentes e partes desses equipamentos:

As partes dos alto-falantes

Esses aparelhos são divididos em três partes:

  • Eletromagnética: é constituída pelo ímã e pela bobina móvel;
  • Mecânica: é composta pelo cone e sua suspensão;
  • Acústica: é responsável por transmitir a energia sonora feita pelo cone.

A parte acústica move-se em ondas de pressão, como foi visto anteriormente. Agora, entenda as partes eletromagnéticas e mecânicas por meio de seus componentes:

Os componentes dos alto-falantes

Também conhecidos como audio parts, eles compõem um alto-falante. Confira a sua função e a importância de cada um:

Imã e a bobina móvel

Responsáveis pelas partes eletromagnéticas de um alto-falante, o imã e a bobina móvel interagem entre si para realizar a conversão entre energia elétrica em mecânica. Uma corrente é enviada através da bobina, produzindo um campo elétrico que age juntamente com o campo magnético do ímã (que é permanentemente preso ao dispositivo).

No momento que o sinal de áudio é enviado por meio da bobina e o formato da onda musical move para cima e para baixo, a bobina é repelida e atraída pelo ímã. Assim, o cone no qual a bobina está anexada se move para trás e para frente, gerando as ondas de pressão no ar.

Cone e sua suspensão

São as partes mecânicas do alto-falante: o cone, basicamente, reverbera as ondas de pressão. Esse componente e a bobina são as únicas partes móveis do aparelho, e quando ele se move para frente e para trás, “empurra” o ar e cria uma onda sonora.

O cone é feito de um material elástico e flexível, para que a onda sonora consiga vibrá-lo e produzir o som. Contudo, essa elasticidade e as próprias propriedades da onda fazem com que o som seja reproduzido de forma irregular, mais intensa em algumas partes e menos em outras.

Para os sons agudos, a reprodução é mais intensa no centro do cone. Já os médios são localizados na região intermediária e os graves nas bordas do cone. Essa ação permite que os alto-falantes atuais sejam fabricados com dimensões específicas para reproduzir determinado tipo de som.

A suspensão, por sua vez, é apenas a parte externa do cone e deve ser inerte. Ela não pode influenciar o movimento do cone, mas deve garantir que o ar não vaze demais para que a frequência de ressonância não diminua.

Também chamada de suspensão acústica, ela é geralmente de borracha ou espuma. No entanto, esses materiais se desgastam rápido e precisam ser trocados com frequência. Os alto-falantes de melhor qualidade já têm a suspensão em feltro, que é muito mais resistente.

Agora que você já conhece o funcionamento dos componentes de um alto-falante, veja os diferentes tipos de aparelhos:

5 tipos de alto-falantes

Como dito acima, a reprodução irregular do som nos alto-falantes fez com que tipos diferentes de aparelhos fossem criados para emitir um específico tipo de som de maneira precisa. Para saber quais são alguns desses tipos e qual a melhor opção para você, continue lendo o texto.

1 – Tweeter

Para os sons agudos, o Tweeter é o alto-falante mais recomendado, pois a reprodução das frequências altas é melhor nos dispositivos de curto diâmetro, com pequenas movimentações do volume de ar. Podem ter o cone em materiais como metais nobres, leves e rígidos, plástico ou papel.

2 – Mid-range

Reproduz melhor as frequências médias e é excelente para a maioria dos instrumentos musicais, como as guitarras. São parecidos com os Woofers, mas seu tamanho leve possibilita uma extensão maior das frequências produzidas.

3 – Woofers e subwoofers

São alto-falantes grandes e pesados, que reproduzem muito bem os sons graves (de baixas frequências), como os de explosões e terremotos. São excelentes para home theater, mas não esqueça de fazer um bom isolamento acústico na sala, para aproveitar ao máximo sua experiência com esses alto-falantes.

4 – Extended range

Encontrado em sua maioria nos carros, que reproduzem sons graves e médios, esse tipo de alto-falante é usado com um Tweeter para garantir a reprodução dos agudos.

5 – Full range

Encontrado em sistemas de som domésticos e em carros, esse alto-falante consegue reproduzir toda a faixa de frequências de maneira clara. É uma opção econômica válida em comparação com a alternativa, que seria comprar três alto-falantes para cada tipo de frequência.

Agora você pode tomar uma decisão do melhor tipo de alto-falante para você da maneira mais assertiva possível!

Gostou do nosso conteúdo sobre como funciona um alto-falante? Nós da Mult Comercial estamos sempre trazendo posts úteis sobre o mundo eletrônico, confira mais no nosso blog. Até a próxima!

Categorias: Eletrônica

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *